Header Ads

LEIA TAMBÉM
recent

Novo presidente da Assomasul defende manutenção do dialogo com os poderes para superar a crise

Segundo Valdir Júnior, a escassez de recursos continua sendo o maior gargalo das prefeituras brasileiras.

Valdir Júnior discursa no ato de posse ©Edson Ribeiro
O novo presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), prefeito de Nioaque, Valdir Júnior (PSDB), defendeu nesta sexta-feira (29) a manutenção do diálogo com os poderes Executivo e Legislativo como forma de superar a crise e atrair investimentos visando o desenvolvimento dos municípios.

Segundo ele, a escassez de recursos continua sendo o maior gargalo das prefeituras brasileiras.

Integrada por prefeitos e prefeitas de vários partidos, a nova diretoria da entidade municipalista foi eleita por unanimidade nesta sexta durante votação que teve início às 8h e encerrou-se às 17h.

A eleição foi restrita a prefeitos e prefeitas por causa da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), obedecendo às regras de biossegurança, como distanciamento social e uso de máscaras e álcool e gel.

Dos 73 votos registrados, o prefeito de Nioaque recebeu 72 favoráveis. Apenas um voto foi anulado

Durante discurso de posse, Valdir Júnior agradeceu o voto de confiança dos associados para dirigir os destinos da entidade e enumerou uma série de compromissos que a diretoria pretende colocar em prática ao longo dos dois anos de mandato.

Ele enalteceu a brilhante a gestão de seu antecessor, Pedro Caravina, ex-prefeito de Bataguassu, que dirigiu a associação durante dois mandatos – 2017 a 2018 e 2019 a 2020.

“Transparência, inovação e diálogo” serão os três pilares da nova gestão, cuja a ideia é estabelecer maior interlocução com o governo estadual e com a União no sentido de facilitar a busca de recursos e definir estratégia de atuação visando ações prioritárias em favor da população do Estado.

“Nunca, como agora, o municipalismo se apresentou como solução definitiva para levar desenvolvimento a todos os municípios sul-mato-grossenses. Para isso, é urgente uma Assomasul ainda mais vibrante e atuante, conectada e comprometida com as demandas e expectativas dos gestores municipais”, colocou.

Dentre outros compromissos, prometeu esforços para promover a excelência na gestão pública por meio de cursos presenciais e online em parceria com universidades e instituições, além de criar uma biblioteca virtual para os nossos associados possam ter acesso a manuais sobre leis tributárias, finanças, contabilidade, comunicação pública, captação de recursos públicos e convênios, sustentabilidade e educação.

“Também vamos incentivar as boas práticas públicas, criando um Selo MS10, para destacar as melhores iniciativas na gestão municipal, e fortalecer o municipalismo regional, promovendo o 1º Encontro de Prefeitos do Centro-Oeste”, pontuou.

No âmbito federal, prometeu continuar atuando junto a CNM (Confederação Nacional de Municípios) em favor de melhor distribuição do bolo tributário nacional, antiga luta do movimento municipalista.

“Entra ano e sai ano, mas os gestores continuam com os mesmos problemas, pouca coisa se avançou em relação às demandas dos municípios quanto à excessiva concentração das receitas públicas no governo central”, acrescentou.

O dirigente sugeriu que os prefeitos continuem se mobilizando, pressionando o Congresso Nacional em favor da aprovação de uma reforma tributária que realmente traga fôlego suficiente aos cofres municipais sem a necessidade de terem de sair de pires nas mãos em busca de socorro financeiro do governo federal.

Valdir Júnior observou que, na prática, os municípios hoje dispõem apenas de 30% de suas receitas para o custeio, prestar serviços e investir em obras, isso porque, segundo ele, a municipalização da saúde e da educação deixou para as prefeituras a maior parte da conta. No transporte escolar, acrescentou o dirigente, o encargo do município chega a 70%”, queixou-se.

“Sabemos que hoje há programas sociais importantes, mas existe um caminho a ser percorrido para que a ação chegue na ponta, onde realmente tudo acontece, pois são nos municípios onde os prefeitos sentem na pele as consequências de um sistema tributário arcaico que precisa sofrer mudanças urgentes”, destacou.

DIRETORIA EXECUTIVA

Presidente: Valdir Couto de Souza Júnior (Nioaque)

1º Vice-Presidente: André Nezzi Luiz de Carvalho (Caarapó)

2º Vice-Presidente: José Fernando Barbosa dos Santos (Selvíria)

Secretário-Geral: Thalles Henrique Tomazelli (Itaquiraí)

2º Secretário: Dalmy Crisostomo da Silva (Alcinópolis)

3º Secretário: Wladimir de Souza Volk (Dois Irmãos do Buriti)

Tesoureiro-Geral: Eraldo Jorge Leite (Jateí)

2º Tesoureiro: Edson Rodrigues Nogueira (Jaraguari)

DIRETORIA AUXILIAR

Diretor de Cultural: Valdomiro Brischiliari (Mundo Novo)

Diretor Social e Esportivo: Reinaldo Miranda Benites (Bela Vista)

Diretor de Relações Públicas: Cleidimar da Silva Camargo (Rio Negro)

Diretor de Patrimônio: Marcos Benedetti Hermenegildo (Vicentina)

Diretor de Saúde: Lídio Ledesma (Iguatemi)

Diretor para Assuntos Municipalistas: Alan Aquino Guedes de Mendonça (Dourados)

CONSELHO FISCAL: Titulares

William Luiz Fontoura (Pedro Gomes)

Alexandrino Arévalo Garcia (Aral Moreira)

Henrique Wancura Budke (Terenos)

SUPLENTES DO CONSELHO FISCAL

Lucas Centenaro Foroni (Rio Brilhante)

Jair Boni Cogo (Cassilândia)

Gerolina da Silva Alves (Água Clara).


Por: Willams Araújo

***
Tecnologia do Blogger.