Header Ads

LEIA TAMBÉM
recent

'Nenhum país vem causando tanto mal a si mesmo como o Brasil', diz Mourão

©DIVULGAÇÃO/ARQUIVO
O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, afirmou que vê o país a caminho do caos e que não enxerga outro lugar no mundo que esteja "causando tanto mal a si mesmo como o Brasil', em texto que assina no jornal O Estado de S. Paulo, publicado hoje.

Para o general da reserva, a pandemia do novo coronavírus não é só uma questão de saúde, mas já se tornou econômica e "pode vir a ser de segurança", em um momento de "estrago institucional".

"A crise que ela [a covid-19] causou nunca foi, nem poderia ser, questão afeta exclusivamente a um ministério, a um Poder, a um nível de administração ou a uma classe profissional. É política na medida em que afeta toda a sociedade e esta, enquanto politicamente organizada, só pode enfrentá-la pela ação do Estado", escreve ele no artigo.

Mourão diz que o Brasil enfrenta a pandemia de modo "desordenado", já causando reflexos na economia. "Pela maneira desordenada como foram decretadas as medidas de isolamento social, a economia do País está paralisada, a ameaça de desorganização do sistema produtivo é real e as maiores quedas nas exportações brasileiras de janeiro a abril deste ano foram as da indústria de transformação, automobilística e aeronáutica, as que mais geram riqueza. Sem falar na catástrofe do desemprego que está no horizonte."

Sem citar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), nem crises específicas enfrentadas por seu governo - que vem se chocando com o Legislativo e o Judiciário -, Mourão afirma: "Para esse mal [a covid-19] nenhum país do mundo tem solução imediata, cada qual procura enfrentá-lo de acordo com a sua realidade. Mas nenhum vem causando tanto mal a si mesmo como o Brasil. Um estrago institucional que já vinha ocorrendo, mas agora atingiu as raias da insensatez, está levando o País ao caos e pode ser resumido em quatro pontos."

O vice-presidente cita então os pontos: a "polarização" política, a "degradação do conhecimento político", a "usurpação das prerrogativas do Poder Executivo" e "o prejuízo à imagem do Brasil no exterior decorrente".

Sobre a polarização, Mourão faz críticas à imprensa e diz que "tornamo-nos incapazes do essencial para enfrentar qualquer problema: sentar à mesa, conversar e debater. A imprensa, a grande instituição da opinião, precisa rever seus procedimentos nesta calamidade que vivemos. Opiniões distintas, contrárias e favoráveis ao governo, tanto sobre o isolamento como a retomada da economia, enfim, sobre o enfrentamento da crise, devem ter o mesmo espaço nos principais veículos de comunicação. Sem isso teremos descrédito (...)".

O vice-presidente, no segundo ponto, critica quem "esquece que o Brasil não é uma confederação, mas uma federação", citando governadores, magistrados e legisladores que, segundo ele, agem acima das decisões do governo federal.

No terceiro, Mourão volta a criticar "presidentes de outros Poderes" de tentarem exercer papel de presidente.

Ele cita que a obra 'Federalista', no qual um de seus autores, James Madison, estabeleceu "como fundamentos básicos que o Legislativo, o Executivo e o Judiciário devem ser separados e distintos, de tal modo que ninguém possa exercer os poderes de mais de um deles ao mesmo tempo', uma regra estilhaçada no Brasil de hoje pela profusão de decisões de presidentes de outros Poderes, de juízes de todas as instâncias e de procuradores, que, sem deterem mandatos de autoridade executiva, intentam exercê-la."

Por fim, Mourão critica quem "usa seu prestígio para fazer apressadas ilações e apontar o Brasil 'como ameaça a si mesmo e aos demais na destruição da Amazônia e no agravamento do aquecimento global', uma acusação leviana".

"Esses pontos resumem uma situação grave, mas não insuperável, desde que haja um mínimo de sensibilidade das mais altas autoridades do País. (...)Enquanto os países mais importantes do mundo se organizam para enfrentar a pandemia em todas as frentes, de saúde a produção e consumo, aqui, no Brasil, continuamos entregues a estatísticas seletivas, discórdia, corrupção e oportunismo", conclui Mourão.

UOL
Tecnologia do Blogger.