Header Ads

LEIA TAMBÉM
recent

Senador Nelsinho Trad critica proposta da Aneel no Senado e divulga prejuízos para MS

De acordo com estudos da Fiems, parlamentar alerta que o Estado Sul-mato-grossense poderá perder 450 milhões até 2029

©DIVULGAÇÃO
O senador Nelsinho Trad (PSD) afirmou nesta tarde no Plenário do Senado que a nova proposta da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) para taxação de energia solar traz prejuízos a Mato Grosso do Sul. “Estudos da Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul mostram que a taxação vai retirar de Mato Grosso do Sul R$ 450 milhões novos investimentos até 2029”, discursou. 

Segundo o senador Nelsinho Trad, a projeção da própria Aneel é de que o Estado passaria a contar com 22.803 unidades até 2029. “Com a taxação, os estudos da Fiems mostram que esse número cairia para 12.986 unidades. Ou seja, 9.817 unidades a menos em 10 anos. O custo médio para a implantação de sistemas fotovoltaicos em uma unidade é de R$ 45,8 mil, totalizando, dessa forma, uma perda de R$ 450 milhões em uma década”, informou.

Para o senador Nelsinho Trad, a característica de grande gerador de energia solar apresentada pelo senador Eduardo Girão não é exclusiva do Ceará, mas sim de vários Estados do Brasil. “O nosso país é tropical e, portanto, o sol brilha o ano todo, diferentemente de outros países do mundo, principalmente, no hemisfério norte do planeta. Na Europa, na maior parte do ano, o céu está sempre cinza e, quando sai o sol, não tem a mesma intensidade que o registrado no Brasil”, comparou.

Mais uma vez, o senador Nelsinho Trad criticou as altas taxas da Aneel para Mato Grosso do Sul e se comprometeu em participar do debate que será promovido pelo senador Marcos Rogério (DEM/RO) para tratar da proposta de taxação da energia solar. “Ninguém aguenta mais, ano após ano, as taxações acima do nível inflacionário sobre o custo da energia, penalizando, desde o pobre consumidor que tem dois bicos de lâmpadas na sua casa até o industrial que tem uma grande empresa geradora empregos. Buscar alternativas para esses aumentos nós termos de buscar”, enfatizou.​


ASSECOM
Tecnologia do Blogger.